V CONGRESSO BRASILEIRO DE FILOSOFIA DA LIBERTAÇÃO II ENCONTRO INTERNACIONAL DE FILOSOFIA AFRICANA: MOVIMENTOS SOCIAIS POPULARES E LIBERTAÇÃO

 

         A Linha de Pesquisa Cultura e Conhecimento do DMMDC do Doutorado Multi-institucional e Multidisciplinar em Difusão do Conhecimento, sediado na UFBA, os grupos de pesquisa: Rede-Africanidades e Griô, Educação Popular e Ancestralidade Africana, reiteram o compromisso da organização do V Congresso Brasileiro de Filosofia da Libertação na cidade de Valença, povoado do Bonfim, no Kilombo Tenondé, Bahia, nos dias 20, 21 e 22 de setembro de 2017.                                     De acordo com a Assembleia Geral do IV CBFL ocorrido em São Bernardo do Campo-SP, o eixo articulador do V CBFL será o diálogo com os Movimentos Sociais Populares.Outrossim, devido à tradição de encontros sobre filosofia africana no Estado da Bahia, particularmente organizados pela REDE-AFRICANIDADES, deliberou-se realizar o II Encontro Internacional de Filosofia Africana concomitante ao V CBFL. Assim, nosso evento tem o seguinte nome: V CONGRESSO BRASILEIRO DE FILOSOFIA DA LIBERTAÇÃO e II ENCONTRO INTERNACIONAL DE FILOSOFIA AFRICANA: Movimentos Sociais Populares e Libertação.                                                   O evento ocorrerá no Kilombo Tenondé onde há a prática sistemática da Permacultura e da Capoeira Angola, perfazendo o que se chama Permangola, que tem princípios comunitários do cuidado com o meio-ambiente, incluindo a prática dos banheiros secos, agro-floresta, alimentação orgânica, entre outras.     Kilombo Tenondé já realiza o intercâmbio com os movimentos sociais populares da região e com o sistema educacional local, tendo também experiência em receber jovens, acadêmicos ou não para trocas culturais. O Kilombo está preparando-se para nos receber, contando com alojamentos de alvenaria e muito espaço para camping, cozinha comunitária, espaços de lazer como o rio que corre em seu território e a rica diversidade cultural que lhe atravessa. Há restrição de inscritos para o V CBFL, pois o Kilombo Tenondé não tem estrutura para receber mais que 200 pessoas. Faremos atividades simultâneas como oficinas e minicursos a fim de, em grupos menores, aprofundar os temas e permitir aos convidados e participantes maior tempo de diálogo e intercâmbio.             Haverá também momentos coletivos, onde todo o grupo estará reunido de maneira a confraternizar e produzir conhecimento. A disposição das atividades é possível ser visualizada no quadro abaixo. Optamos por privilegiar os momentos de diálogos, por isso as manhãs serão destinadas às oficinas e minicursos, as tardes às comunicações e as noites ás conferências e festival de culturas. Nas comunicações, optamos por convidar acadêmicos, ativistas ou artistas para debater com os comunicadores. Eliminamos as mesas-redondas, pois o intuito é propiciar um tempo maior de fala e escuta para os participantes do V CBFL, e todos podem sugerir oficinas e/ou minicursos para a coordenação do evento.                                                                                                                Haverá três conferências, sempre à noite, cujos temas perfazem o título e tema do evento, ou seja: conferência sobre Filosofia da Libertação; conferência sobre Filosofia Africana; conferência sobre Movimentos Sociais Populares. Teremos também uma roda de conversa com os movimentos sociais populares locais e nacional, na primeira tarde do Congresso. Desta feita, desejamos dar maior visibilidade aos autores (as) de livros afins ao Congresso, por isso teremos lançamento de livros com espaço suficiente para apresentação das obras.                                                                                                        O festival de culturas é o encontro entre grupos culturais como o Zambiapungo, o Boi de Manoel Vitorino, a Capoeira Angola, música, poesia, dança e muitos outros talentos daqueles que nos brindarem com sua arte. Em todas as atividades almejamos contemplar acadêmicos, artistas e ativistas sociais. Como são inúmeros os movimentos sociais populares, e como teremos apenas três dias para a realização do evento, optamos por organizar o tempo a fim de interagir com os sujeitos epistêmico-sociais: mulheres, negros, índios, lgbt e trabalhadores, interseccionalizando experiências e trajetórias.                                                                                                                                       Obviamente não está excluído nenhum sujeito dos movimentos sociais populares, mas encontramos nesse universo uma proposta factível para eleger os (as) convidados (as) para o Evento. Não é preciso insistir no tema da crise econômica (crise política, pois não?) que assola as IFES brasileiras. Não temos previsão de recursos, até o momento, para sustentar a realização do congresso. Estamos nos inscrevendo em editais como o CNPq e a fapesb, mas sem garantias de sermos contemplados.                                Assim, é imperioso contar com a contribuição dos parceiros – o que já se tornou uma tradição na realização dos CBFL. Poderemos emitir cartas-convite a qualquer momento para aqueles (as) que lograrem subsídios em suas instituição de origem e/ou entre outros meios.                                                                                                                                         Para efeitos de comunicação utilizaremos o e-mail da REDE-AFRICANIDADES: redefilosofiafricana@gmail.com e vamos reutilizar o site do IV CBFL. Além disso, contamos com a divulgação de todos os parceiros, pois somente assim cumpriremos nosso compromisso de organizar o evento em rede. Esta primeira circular é a socialização sintética do estágio atual da organização do V Congresso e um convite expresso aos parceiros (as) para contribuírem na sua organização, tanto no formato quanto no conteúdo. O que aqui expomos é uma primeira proposta e a contextualização de onde se dará o CBFL.

       Convite feito, dancemos juntos!

foto1